sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Ah, a licença poética...

Queria ser poeta e viver da poesia

Mastigar suas palavras e sentir seu sabor

Absorver a dor até sublimá-la em letras de um lindo verso

E até desejar um amor malsucedido para ter inspiração na concepção de um soneto.


Queria ser poeta e viver da poesia

E ter desculpa para surtar, pois sou poeta sensível

E ter desculpa para beber, pois sou poeta sensível

E ter desculpa para amar e odiar displicentemente, pois sou poeta sensível


Queria ser poeta e viver de poesia

Sorrir em um velório e chorar em uma festa de aniversário

Gritar em uma aula de meditação

Beber Dry Martini às nove da manhã de uma terça qualquer

Escrever enquanto a cidade dorme e poder usar blusa xadrez com calça listrada

Afinal, ao que vive das palavras possui a nobreza da licença poética para fazer o que quiser


Queria ser poeta e viver de poesia

Mas tenho que pagar meu aluguel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário