sábado, 27 de novembro de 2010

A arte do desejo

O desejo é o sentimento que move a vida.

É aquele queimor no peito que nos avisa que o corpo ainda vive.

Não é de conquistas que vive homem, e sim, do desejo de conquistar.

A cada desejo não conquistado, me encontro com a criança birrenta que há dentro de mim. Esperneando porque não ganhou um pirulito.

O desejo é inerente à alma humana. Seja para o bem ou para o mal, é nosso consolo para abrir os olhos na manhã seguinte e continuar vivendo.

Pode ser um desejo sublime, altruísta, profano ou egoísta. Não importa!

Sem desejo, o corpo ainda vive, mas, a alma há muito já está morta.

Viver pela metade não me interessa.

Desejo o tudo, desejo o nada. Desejo tanto tantas coisas que me perco na imensidão de mim mesma.

O dia em que não houver mais nada nesse mundo que eu possa desejar, posso-me ir, já que descansar em paz é o desejo final de cada um de nós.

Mas, até lá, o meu desejo mais ardente e secreto, é o desejo de desejar.



Post original aqui.

Um comentário:

  1. OLÁ PRISCILA,

    Sou seu mais novo seguidor.

    Belíssimo o texto sobre a motivação maior da vida: O desejo!

    É o que empurra a gente para frente, às vezes como um solavanco, outras como o deslizar suave de flocos de neve descendo a montanha.

    Em qualquer situação, a vontade de viver!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir